Internado desde 17 de março na cidade do Rio de Janeiro (RJ), para se recuperar de complicações decorrentes de AVC, Arlindo Cruz tem o álbum 2 Arlindos – gravado pelo cantor, compositor e músico carioca com o filho, Arlindo Neto – distribuído em escala nacional no fim deste mês de julho de 2017, em edição da gravadora Universal Music.
Em agosto de 2016, pai e filho chegaram a editar o disco de forma precária – com distribuição que não chegou sequer às plataformas digitais – e a promover o lançamento com shows feitos pelo Brasil a partir de setembro do ano passado. Mas somente agora, quase um ano depois, o álbum 2 Arlindos ganha edição compatível com a importância de Arlindo Cruz no universo do samba.
Precedido por EP lançado em maio deste ano de 2017 com cinco das 15 faixas, o disco 2 Arlindos mistura regravações de sucessos dos pagodes – como Fogueira de uma paixão(Arlindo Cruz, Luiz Carlos da Vila e Acyr Marques, 1987), samba lançado há 30 anos por Leci Brandão no álbum Dignidade (1987) – com parcerias recentes (algumas inéditas) da obra do pai com filho, casos de Pra que insistir? e de Bom aprendiz (2009).
A curiosidade do repertório é a regravação de Pais e filhos (Arnaud Rodrigues e Renato Piau, 1978), não o sucesso homônimo da banda Legião Urbana, mas a música gravada sem muita repercussão pelo cantor Tim Maia (1942 – 1998) no álbum Tim Maia Disco Club (1978).
(Crédito da imagem: capa do álbum 2 Arlindos)

fonte: g1.globo.com